Ave Eva Evoé Voa

_MG_0332bx_MG_0171bx_MG_0361bx_MG_0353bx

Ave Eva Evoé Voa reúne pesquisas artísticas de Clarice Rosadas, Maria Flexa e Sabrina Barrios. Embora as artistas possuam processos diferentes, além da natureza feminina, certa inquietação de ordem filosófica parece indicar algo comum entre seus projetos poéticos: falar de si em meio à existência.

Em busca de conhecer mais sobre o eu e o que há dentro e ao redor de si, Maria Flexa realiza uma série de rostos, por vezes refazendo sua própria feição, como quem busca, obsessivamente, encontrar-se em outras fisionomias e, assim, investigando-se, ampliar seu entendimento acerca do estar no mundo.

Com desejo semelhante, Clarice Rosadas parte da palavra. Valendo-se das ideias de fragmento e de intervalo inerentes às formas de comunicação humanas (intelectuais e/ou sensuais), alterna escuta, fala e escrita. Rítmica e compulsivamente, elabora sistemas de anotações que resultam em um código próprio de percepção de si mesma e do contexto no qual se insere.

Não distante disso e igualmente obstinada, Sabrina Barrios lança seu olhar para o invisível do ser no mundo. Desapegada de questões imanentes, volta-se a uma poética projetiva da transcendência. Ao almejar dizer sobre planos, platôs e dobras quânticas da existência, cria obras feito máquinas místicas que falam a respeito da origem de nossa vida.

Grafite, carvão, aquarela, nanquim. Adesivos, transfers, imagens, palavras. Geometria, tramas, formas, luzes. Soma de Eu e Outro que se mistura em pausa, respiração, sobreposição: o trabalho espera olhares sensíveis capazes de enxergar a passagem do íntimo ao coletivo, através de projetos e instalações entre o imaginário e o construído.

A proposta dessas artistas, portanto, foge aos padrões expositivos tradicionais, em que se apresenta obra à obra. O par em fluxo objeto/público, aqui posto em jogo, ao convocar espaços, incita uma fruição de alternância e harmonia. Em outras palavras, trata-se de uma obra única feita à maneira de saudação feminina, corajosa e vivaz à essa casa escola/atelier: Ave Eva Evoé VOA!!!

Sonia Salcedo del Castillo
———————————————————————————-
Artistas: Maria Flexa, Clarice Rosadas, Sabrina Barrios
Acompanhamento Curatorial: Sonia Salcedo del Castillo
———————————————————————————-
Encerramento 3/8, 16–21h, Casa Voa, Rio de Janeiro
Closing reception 8/3, 4–9pm, Casa Voa, Rio de Janeiro

Advertisements

Babel Magazine

Article about Sabrina Barrios’ artwork written by curator Daniela Mattos (PT only) /// Matéria sobre o trabalho da artista plástica Sabrina Barrios, texto da curadora Daniela Mattos

capaIMG_5309IMG_5310IMG_5312IMG_5313

Sobre ter água nos olhos – em torno da obra de Sabrina Barrios

por Daniela Mattos

Em regiões áridas é preciso buscar água em camadas profundas do solo. Ela
está lá, disponível e potável, mas é necessário escavar muito para alcançá-la e sorvê-
la, num esforço que por vezes precisa ser coletivo, noutras pode também ser
individual. A prática artística nunca foi tarefa simples e torna-se ainda mais complexa
em momentos de crise – e isso não é novo – historicamente artistas precisaram,
desde sempre, atentar para que suas obras não fossem inteiramente capturadas pelos
interesses fetichizantes do mercado e das instituições, ao passo que sua
sobrevivência enquanto indivíduos pudesse ser garantida, bem como a autonomia
poética e crítica da arte se mantivesse preservada. Se pensarmos nesta questão
fazendo um recorte de gênero, raça e classe, isso se radicaliza ainda mais: artistas
mulheres necessitaram lutar e seguem na luta para garantir seu espaço e o
reconhecimento equânime de seus trabalhos por parte de um sistema que reproduz as
opressões estruturais presentes na sociedade em geral, algo que apenas nas últimas
décadas têm se problematizado de fato. É o engajamento de artistas mulheres e de
coletivos voltados para estas questões, que têm demonstrado o quanto ainda
precisamos rever as práticas e a história da arte, que reproduzem compulsoriamente
valores eurocêntricos e estadunidenses, desconsiderando culturas e saberes
ancestrais indígenas e afrodiaspóricos.
A potência do feminino, também na arte e na cultura, é algo que vêm
resistindo de modo às vezes silencioso e noutros bastante ruidoso, pelo esforço e
colaboração entre pessoas interessadas em transformar as estruturas vigentes, seja
na arte ou na vida. Independente dos obstáculos, aquilo que liga tais práticas se
mantém e redesenha o que está dado, o que está – aparentemente – visível ao redor.
Surgem então com suavidade, mas com incrível força, outras formas e maneiras de
olhar e de compreender o mundo, num movimento no qual deve-se apenas confiar:
fiar junto, como faziam as moiras da mitologia grega, ou como seguem fazendo
diariamente as fiandeiras no interior do Brasil. É com esta potência do fiar junto, de
produzir redesenhos do mundo, de nós, do outro, que a artista Sabrina Barrios
desenvolve suas obras. Nas instalações, pinturas, desenhos, fotografias, bem como
em obras em que a artista combina estas linguagens simultaneamente, percebemos
que nada está dado, há sempre linhas por serem delineadas, recombinadas, que
surgem como camadas sobrepostas por meio da ação quase alquímica desdobrada
no processo de trabalho de Sabrina. Há neste emaranhado, derivações de elementos

identitários de uma certa brasilidade – as figuras do losango e do círculo, presentes na
bandeira brasileira, são utilizadas pela artista, que decompõe e espacializa estes
símbolos (nunca de maneira literal) para propor outros olhares e sentidos, como por
exemplo, o entendimento de como estas formas se relacionam com as dinâmicas e
entrelaçamentos entre feminino e masculino. Ao olhar para o trabalho de Sabrina
Barrios estamos sempre numa espécie de espiral de significações e sentidos, tudo
escapa para que justamente escape também o senso comum, o modo de olhar
formatado e por vezes treinado que nos é imposto cotidianamente, para que de
nossos corpos surjam novas linhas de força que impulsionem a confiança no que
vemos ali, (re)tecendo a nós mesmos por meio das obras que vemos.
Radicada em Nova York desde 2009, Sabrina voltou ao Brasil em meados de
2018 para realizar duas residências artística no Rio de Janeiro, no Despina (espaço
independente de arte sediado no centro do Rio, que promove residências, exposições
e cursos livres em torno da arte contemporânea, feminismo e ativismos), bem como na
Casa Amarela Providência (iniciativa localizada no Morro da Providência, que
desenvolve ações culturais, sociais e educacionais voltadas à esta comunidade, em
parceria com convidados locais e externos). Ainda que sua prática nos últimos anos
tenha se desenvolvido de maneira individual, o projeto produzido pela artista na Casa
Amarela Providência se realizou de modo colaborativo, incorporando a participação
moradores locais, em especial jovens e crianças. Nesta abertura de seu processo de
trabalho individual à outras pessoas, bem como na ocupação de um espaço externo
não convencional, aberto e público (bem diferente do tradicional cubo branco comum
às instituições de arte) com linhas, formas e planos também presentes em projetos
anteriores da artista, cria-se mais um camada de significação: a dimensão da partilha
do fazer artístico, antes primordialmente individual, que se torna ainda mais plural.
Não se deve perder de vista, no entanto, que o projeto realizado na Casa Amarela da
Providência teve Sabrina Barrios como autora e propositora; mesmo assim abre-se
com sua iniciativa compartilhada a noção de pertencimento coletivo da arte, algo que
certamente será potencializado pelos relatos das crianças e jovens que vivenciaram a
construção da obra e, ao passarem à frente tal experiência, a endereçarão a outros
imaginários porvir.
É urgente: em tempos áridos é preciso (re)inventar a nós e ao mundo, produzir
arte em outras frentes, sejam elas mais silenciosas ou ruidosas. Este é um esforço
coletivo e individual, consecutivo e/ou simultâneo e perene. Por certo a arte se
mostrará, hoje e sempre, presente, disponível, potável e pública, como a água sob as
camadas profundas do solo, ou como numa dispersão que precipita invisível: a
umidade relativa do ar.

Algumas rotas para Portais e Planos de Fuga–por Daniela Mattos

sabrina_dani_001sabrina_dani_002sabrina_dani_003sabrina_003

A artista e curadora Daniela Mattos acompanhou Sabrina Barrios durante a sua residência na Despina (Rio de Janeiro, Agosto de 2018).

Algumas rotas para Portais e Planos de Fuga
por Daniela Mattos

A artista Sabrina Barrios vem desenvolvendo sua pesquisa artística com muitas intensidades: algo de um feminino selvagem e alquímico (tramando o que dá corpo e materialidade às instalações, pinturas e objetos); com o rigor projetivo de seus desenhos; com suas pesquisas que imbricam teoria da conspiração, aspectos formais (mas não literais) que remetem à questões identitárias e históricas de brasilidade; com tantas outras velocidades que não caberiam aqui, talvez por sua natureza conceitual e poética quase holográfica.

Nas obras que Sabrina apresenta como parte de sua residência na Despina – talvez presente em toda sua produção em arte – há algo que nos engana, o que nosso olhar encontra ali muda a cada vez, a cada luz, a cada estado de corpo que a artista nos convoca e provoca, mas não nos obriga a ter.

Nas rotas traçadas ali, nada está dado, “você vê o que quiser, o quanto estiver disposta a captar”, ela nos diz. O que cabe a nós, portanto, é abrir nossa potência vibrátil à alquimia das formas, linhas e planos, decidindo como entraremos pelos portais que estes trabalhos engendram e escolhendo nossas próprias cartografias e planos de fuga.

Saturday Studio Visit | Episode 9

Episode 9:
In a lecture that took place in New York, Sabrina Barrios walks the viewer through her previous work, that lead to the 2 part site-specific installation “Coup D’etat” (2016).

///

Saturday Studio Visit
Brazilian born–Brooklyn based multimedia artist Sabrina Barrios hosts studio visits with the audience, where she shares her work and practice.

Live and uncensored version every Saturday on Snapchat (sabrina.barrios) and a 1 min. edited version on Instagram (sabrina_barrios).